Curta Nossa Página do Facebook!

  • Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish Skype Me™! contador de visitas

    terça-feira, 8 de junho de 2010


    607: A Fundação insegura da doutrina de 1914

    Por Jan S. Haugland

    Tradução do Irmão Brasileiro


    A Sociedade Torre de Vigia (daqui em diante: STV) tem provido o que pode ser chamado de uma armação teológica para as Testemunhas de Jeová. Como nós veremos, esta armação baseia-se inteiramente na data de 1914. Atualmente, as Testemunhas de Jeová (TJ's) asseguram que em 1914, Jesus Cristo foi colocado num trono nos céus, e começou a "subjugar no meio dos seus inimigos" (Salmos 110:2). O fim do mundo começou naquele ano.

    Até o 1º número de Novembro de "A Sentinela" de 1995, a STV também argumentava que alguns daqueles que foram testemunhas oculares dos eventos de 1914 estariam também vivos para ver o fim. Como esta doutrina agora está abandonada, a importância de 1914 foi reduzida. Não obstante, um bom número de doutrinas estão construídas na data de 1914:

    • A STV alega que a liderança das TJ's, os tão chamados "ungidos", foram selecionados por Cristo como seu único canal de comunicação com a humanidade, e que isto aconteceu em 1919. Isto é baseado na premissa que Cristo retornou em 1914, e fez uma inspeção nos grupos cristãos e 3 anos e meio depois, mandou a liderança da STV para o "cativo babilônico" (na verdade, prisão) e então finalmente os selecionou em 1919. Sem 1914, a STV não tem nenhuma posição relativa a Cristo.
    • TJ's alegam que apenas elas cumprem Mateus 24:14 por proclamar as "boas novas" a todo o mundo no nosso tempo. Estas "boas novas" são que Cristo começou a reinar em 1914, e que o fim virá "breve". Se isto é falso, as Testemunhas de Jeová estão pregando um falso evangelho (boas novas) (Gálatas 1:6-9).
    • As interpretações das TJ's da maior parte da bíblia está baseada na idéia da presença invisível de Cristo desde 1914. Se isto estiver errado, sua interpretação é falsa, e qualquer alegação de ser dirigido pela vontade de Deus será provada horrivelmente falsa.
    • Não há nenhuma evidência que nosso tempo tenha qualquer profecia bíblica importante se as alegações sobre 1914 estiverem erradas.
    • Até doutrinas como o sistema de "duas classes", que é uma interpretação única das Testemunhas de Jeová, estão dependentes da data de 1914. A STV alega que o "ajuntamento" da "grande multidão" (não-unigidos vivendo na terra) começou em 1935, e que isto aconteceu depois que o "tempo do fim" começou. Então, sem esta cronologia, esta doutrina estranha também cai.

    As TJ's alegam que o ano de 1914 foi predito por Charles Taze Russel, o fundador do movimento, desde 1870, e isto é usado como a maior evidência de que Russel era dirigido por Deus.

    'Tempos dos Gentios' - A História de uma Doutrina

    É verdade que Russel tinha 1914 como uma parte importante de sua cronologia. Ele predisse o fim do mundo e o pleno estabelecimento do reino de Deus para esta data. Isto não foi o que aconteceu, mas ainda assim as TJ's argumentam que algo importante aconteceu quando a Primeira Guerra mundial começou.

    Que evidência cronológica Charles Taze Russel usou ? Seu argumento cronológico foi completamente emprestado do Adventista Nelson Barbour. Eles tinham uma longa lista de datas, uma das quais era 1914.

    Nelson Barbour construiu todos os seus argumentos sobre sua completa cronologia bíblica, a qual colocava a criação de Adão em 4127AC. Barbour (e Russel) pensavam que versículos bíblicos diferentes contendo números eram mensagens "codificadas" de Deus sobre as datas de vários eventos.

    Um destas passagens era Daniel capítulo 4. O profeta Daniel aqui diz ao rei Nabucodonosor:

    Dan 4:24,25 "E expulsar-te-ão de entre os homens e tua morada virá a ser com os animais do campo, e vegetação é o que te darão para comer, como a touros; e tu mesmo virás a ser molhado pelo orvalho dos céus, e passarão mesmo sete tempos sobre ti, até saberes que o Altíssimo é Governante no reino da humanidade e que ele o dá a quem quiser" [NWT].

    Barbour de alguma forma (e as TJ's hoje) interpretam que isto significa mais do que anos (ou "tempos") de insanidade para Nabucodonosor. A expressão em português "tempos" também é usada em traduções de Revelação 12:6, 14. Aqui ela pode ser interpretada como se três tempos e meio sejam iguais a 1260 dias. Um tempo é definido como 360 dias, e sete tempos serão 2520 dias. A STVentão apela para a regra de "ano-dia", baseada em Números 14:34 e Ezequiel 4:6 (que interessantemente não é mais aplicado pela STV para a interpretação de Revelação 12!). para chegar a 2520 anos.

    Mas o que durou 2520 anos ? Barbour, sem nenhuma evidência, aplicou isto ao período das palavras de Jesus sobre a queda de Jerusalém, cumprida em 70DC:

    Luc 21:24 "e cairão pelo fio da espada e serão levados cativos para todas as nações; e Jerusalém será pisada pelas nações, até se cumprirem os tempos designados das nações"

    Apesar do fato de que as palavras de Jesus "será" nos informa que o início destes "tempos das nações" ou "tempos dos gentios" (maioria das traduções) seria quando Jerusalém cairia no futuro, Barbour argumentou que estes "tempos dos gentios" começaram quando Jerusalém caiu séculos antes, no 19º ano do reinado de Nabucodonosor. (Jeremias 52:12). Quando foi isso ?

    Barbour disse que Jerusalém foi destruída em 606AC.

    Contando 2520 anos desde 606AC nos dá 1914, certo ?

    Errado!

    Barbour estava, como Russel, ignorante a respeito de cronologia e história. Quando o calendário que usamos (Juliano, depois melhorado pelo gregoriano) foi criado, não havia ano zero, então 1AC foi seguido de 1DC. 2520 anos de 606AC nos daria 1915, o qual Russel de fato usou ao invés de 1914 por alguns anos. Mas então a primeira Guerra Mundial começou em 1914. Russel tinha predito algo para 1914, e algo tinha de fato acontecido, então Russel pensou que ele tinha estado certo. Russel então "esqueceu" do ano-zero, e mudou a cronologia para 1914 novamente.

    Mas cedo ou tarde isto tinha de ser corrigido. Como ? Por mover a destruição de Jerusalém para um ano a frente, de 606 para 607AC. Isto é fácil de fazer no papel!

    O livro da Sociedade "Revelação - O seu grandioso clímax está próximo" (1988) cita uma brochura antiga de Barbour na página 105:

    "'Foi em 606 AC que terminou o reino de Deus, que se removeu o diadema e toda a terra foi entregue aos gentios. 2.520 anos contados desde 606 AC terminarão em AD 1914 " - The Three Worlds (os três mundos), publicado em 1877, página 83."

    Uma nota de rodapé nos informa:

    "Providencialmente, estes estudantes da Bíblia não se haviam dado conta de que não existe ano zero entre "AEC" e "EC" (ou "AD"). Mais tarde, quando uma pesquisa feita tornou necessário ajustar 606AC para 607AEC, eliminou-se também o ano zero, de modo que ainda valia a predição de "AD 1914" - Veja "A verdade vos tornará livres", publicado em Português em 1946 e distribuído pela Sociedade Torre de Vigia, página 242'.

    Não é isto impressionante ? "Providencialmente" - pela direção de Deus - eles tinham cometido dois erros cancelando ambos.

    Que nova "pesquisa" mudou esta data ? Nenhuma, é claro. Se você examinar os livros da STV, você não encontrará evidência alguma para esta nova data.

    Esta mudança era necessária para manter a data de 1914, na qual toda a superestrutura doutrinária da Torre de Vigia está baseada.

    O fato é que, Jerusalém caiu para os Babilônios em 587 AC, não em 607. A ignorância de Barbour e Russel em cronologia e história deu a STV um tremendo problema. A enciclopédia Britânica (versão on-line), uma fonte sempre usada pela Soceidade diz:

    "Em 587/586AC a cidade e o templo foram completamente destruídos por Nabucodonosor, e o cativeiro começou. Ele terminou em 538AC quando Ciro II, o grande, da Pérsia, que tinha derrotado Babilônia, permitiu aos judeus, liderados por Zerubabel, da linhagem Davidica, retornarem a Jerusalém."

    É claro, a STV admitem que eles estão bem sozinhos no mundo dizendo que Jerusalém caiu em 607. Eles argumentam que isto é assim porque somente eles realmente aderem a bíblia acima de fontes "seculares".

    A STV, no livro Venha o teu Reino (1981) página 187, diz:

    "Os Cristãos, que crêem na bíblia, têm vez após vez encontrado que a palavra dele suporta a prova de muita crítica e tem-se mostrado exata e fidedigna. Reconhecem que, sendo a palavra inspirada de Deus, ela pode ser usada como mediador na avaliação da história e dos conceitos seculares"

    Isto pode soar muito belo para um cristão, mas é isto verdade ? Será que a Sociedade Torre de Vigia realmente adere a bíblia por ser "exata e fidedigna" ? Será que eles usam a bíblia como uma varinha de medição ?

    Será que a bíblia ensina que Jerusalém caiu em 607AC?

    A Bíblia não contém nenhuma data absoluta, visto que o nosso calendário não foi inventado quando qualquer parte do Velho Testamento foi escrito. Não é possível, portanto, datar eventos diretamente. Porém, a Bíblia provê muitas datas relativas.

    Um exemplo pode ser encontrado em:

    Dan 1:1 "No terceiro ano do reinado de Jeoiaquim, rei de Judá, chegou a Jerusalém Nabucodonosor, rei de Babilônia, e passou a sitiá-la"

    Então segue um relato de como as coisas sagradas do templo foram levadas para Babilônia, e também alguns Israelitas proeminentes - entre eles Daniel - foram levados cativos. Jerusalém não foi destruída neste momento. Em Daniel 2:1, nós encontramos um evento igualmente datado no 2º ano de Nabucodonosor. Logicamente, isto significa que a deportação de Daniel e outros ocorreu no ano de ascensão (ou, teoricamente, o primeiro ano, mas o versículo 5 do capítulo 1 mostra o contrário, visto que, três anos de nutrição estão entre Daniel 1:1 e 2:1) do reinado de Nabucodonosor.

    Esta era a forma em que os eventos eram datados nos tempos Bíblicos. Se nós pudermos datar os reinados dos Reis, neste caso Jeoiaquim e Nabucodonosor, nós poderemos datar os eventos.

    Qualquer datação, no entanto, requer alguma evidência não-bíblica independente. Apenas datas relativas podem ser retiradas da própria Bíblia. Posteriormente veremos como estas datas absolutas são obtidas.

    Será que a STV defende a cronologia Bíblica?

    Como temos visto, a STV alega que eles seguem a bíblia e a defendem contra o criticismo. É isto verdade ? Algumas vezes, mas não neste caso.

    Nós notamos que Daniel 1:1 disse que Nabucodonosor levou prisioneiros de Jerusalém no 3º ano de Jeoiaquim (sistema de ano-ascensão).

    De acordo com cronologia da Torre de Vigia, isto não é possível.

    A enciclopédia Bíblica da Torre de Vigia, Estudo Perspicaz das Escrituras (daqui por diante: it), Volume 2, página 489, afirma:

    "Evidentemente, é a este terceiro ano de Jeoiaquim como rei vassalo de Babilônia que Daniel se refere em Daniel 1:1. Não podia ser o terceiro ano do reinado de 11 anos de Jeoiaquim sobre Judá, pois, naquele tempo, Jeoiaquim não era vassalo de Babilônia, mas sim do Faraó Neco, do Egito."

    "Evidentemente," eles dizem. Uma pessoa não versada na Bíblia pode achar possível que Daniel se referira a "o terceiro ano" desde um evento específico do reinado do rei. Mas quando nós sabemos que esta era a forma em que o tempo era contado naqueles dias, nós entendemos como isto é extremamente improvável. Para usar um exemplo: É provável que qualquer pessoa vivendo nos nossos dias possa datar o começo de Segunda Guerra Mundial para 1869, simplesmente porque ele achou que a queda de Jerusalém para os romanos era um evento mais interessante para iniciar o começo de nosso calendário ? Se Daniel tivesse feito tal declaração estranha, ele teria sabido que certamente seria mal entendido. Também, Daniel, como muitos outros escritores da Bíblia, usam esta forma de datação freqüentemente (Daniel 7:1; 8:1; 9:1; 10:1; 11:1).

    Daniel 2:1 tem a interpretação do profeta para os sonhos de Nabucodonosor no seu 2º ano de reinado. Novamente, a STV tem apelar para uma acrobacia, quando o próprio texto diz "no segundo ano do reinado de Nabucodonosor" o que é algo muito claro.

    Este recusa para pôr as escrituras à frente do dogma se torna especialmente complicado no livro "Venha o Teu Reino" (daqui em diante: kc), o qual, no seu apêndice, tenta refutar a crítica contra a cronologia da STV. Na página 188, eles tentam refutar o valor das crônicas babilônicas de Beroso:

    "Embora as alegações de Beroso de que Nabucodonosor levou cativos os judeus pelo ano de sua ascensão, não há nenhum documento cuneiforme que apóie isto".

    Não é surpreendente ver que em apenas alguns parágrafos depois que a STV se anuncia como o único defensor da Bíblia, eles propositadamente falham em reconhecer que a própria Bíblia, em Daniel, apóia Beroso contra a cronologia da STV?

    Estes certamente não são os únicos exemplos. O profeta Zacarias desfere o maior golpe contra a cronologia da STV.

    Zac 1:7 "No vigésimo quarto dia do décimo primeiro mês, que é o mês de sebate, no segundo ano de Dario, veio a haver a palavra de Jeová para Zacarias, filho de Berequias, filho de Ido, o profeta."

    Desta vez, a STV concorda com todas as fontes disponíveis que o evento deve ser datado em fevereiro de 519 AC. Afinal de contas, a data de 607 da STV usa o reinado de Ciro como um "ponto de âncora", de modo que, seria tolice negar isto.

    O que o profeta Zacarias vê e ouve?

    Zac 1:12 "De modo que respondeu o anjo de Jeová e disse: 'Ó Jeová dos exércitos, até quando não terão misericórdia com Jerusalém e com as cidades de Judá, que verberaste por estes setenta anos ?'".

    Sim, durante 70 anos, Deus tinha denunciado as cidades de Judá. Isto nos leva a 589AC. De acordo com cronologia a Sociedade, nada de significante aconteceu neste ano. Na cronologia estabelecida, este era o ano em que Nabucodonosor começou a sitiar Jerusalém (2. Reis 25:1; Ezeq 24:1,2; Jer 52:4).

    Além disso, teria sido sem sentido para este anjo dizer que as cidades tinham sido denunciadas durante "setenta anos" se este período começou dezoito anos depois da completa destruição da capital! Por outro lado, se este anjo estivesse falando sobre um período de setenta anos de 607 a 537 - como uma TJ argumentará sem nenhuma dúvida - por que o anjo deveria perguntar "até quando"? Estas mesmas palavras demonstram que neste ponto, o período de denúncia não tinha ainda terminado. E visto que eles ainda continuaram, eles devem ter começado com um evento maior em 589AC.

    Como se isto não fosse o bastante, depois, Zacarias desfere um golpe até mesmo mais fatal para a cronologia da Sociedade:

    Zac 7:1-5 "Além disso, sucedeu no quarto ano de Dario, o rei, que veio a haver a palavra de Jeová para Zacarias, no quarto [dia] do nono mês, [quer dizer,] em quisleu. E Betel passou a enviar Sarezer e Regem-Meleque, e seus homens, para abrandar a face de Jeová, dizendo aos sacerdotes que pertenciam à casa de Jeová dos exércitos, e aos profetas, sim, dizendo: 'Chorarei no quinto mês, observando abstinência, assim como fiz, oh!, por tantos anos ?'. E continuou a vir a haver para mim a palavra de Jeová dos exércitos, dizendo: 'Dize a todo o povo da terra e aos sacerdotes: 'Quando jejuastes e houve lamentação no quinto [mês] e no sétimo [mês], e isto por setenta anos, jejuastes realmente para mim, sim, para mim ?'"

    A evidência cronológica nestes versículos é surpreendente e dá uma riqueza de informação. Até mesmo a literatura da STV tem que concordar que nestes eventos, claramente marcados na bíblia, os judeus estão lamentando e jejuando. Eles estavam jejuando no quinto mês "a fim de comemorar como naquele dia Nebuzaradã, o guarda-costas chefe de Nabucodonosor, depois de dois dias de inspeção, queimou completamente a cidade de Jerusalém e seu templo," como a STV declarou no seu livro "Paraíso Restabelecido para Humanidade - Pela Teocracia!" (daqui por diante: pm), na página 235. Eles também jejuaram no sétimo mês "para comemorar o assassinato do Governador Gedalias que era da casa real do Rei Davi e a quem Nabucodonosor fez governador da terra para os judeus pobres que foram permitidos permanecer depois da destruição de Jerusalém ". (pm, pág. 235).

    Isto deixa a STV com um problema óbvio, visto que eles reivindicam que isto aconteceu em 607 AC. Em Novembro de 518AC, no 4º ano de Dario, quando Zacarias teve esta visão, está 90 anos depois de 607AC. A STV concorda que os setenta anos de lamentação começaram quando Jerusalém foi destruída. O texto Bíblico abaixo mostra tão claramente quanto qualquer outro texto possa fazer, que os setenta anos correram até o ano 518AC. Os Israelitas perguntaram se eles continuariam este jejum. Se eles tivessem parado vinte anos mais cedo, esta pergunta não faria sentido. Também, em Zacarias 1:12, os setenta anos foram chamados "estes setenta anos " ao invés de "aqueles setenta anos" que seria a palavra apropriada se eles terminassem vinte anos mais cedo (em Zac 7:5 RSV diz "durante estes setenta anos ", NIV diz "durante os últimos 70 anos").

    Como a STV responde a esta séria objeção contra sua cronologia ? Com respeito ao Anjo em Zacarias capítulo 1, eles dizem:

    "Então, o anjo de Jeová quis dizer que aqueles setenta anos ainda não haviam terminado, ou que eles tinham terminado naquele momento ? Isto não pode ser historicamente verdadeiro". (pm [edição americana], pág. 131,; o grifo é nosso)"

    Sim, Realmente! Todo historiador e todo comentador da Bíblia, apoiados por milhares de documentos cuneiformes, documentos antigos e inscrições, afirmam que 586/7AC é a data correta para a queda de Jerusalém. Agora, quando o próprio Deus e o Anjo de Deus dizem a mesma coisa pelo profeta Zacarias, a Sociedade Torre de Vigia corajosamente atesta que 'Isto não pode ser historicamente verdadeiro.'

    Tais exemplos não deveriam ser necessários para demonstrar até que grau a STV apóia a Bíblia.

    Não obstante, vamos examinar os argumentos usados pela STV para estabelecer a data de 607AC.

    Os Setenta anos para Babilônia

    Para compensar a riqueza de evidência contra a cronologia deles, a STV apela para alguns textos Biblicos. Venha o teu reino! (kc) página 187-8, diz:

    "O profeta Jeremias predisse que os babilônios destruiriam Jerusalém, e transformariam a cidade e o país numa desolação. (Jeremias 25:8, 9) Ele acrescentou: "E toda esta terra terá de tornar-se um lugar devastado, um assombro, e estas nações terão de servir ao rei de Babilônia por setenta anos." (Jeremias 25:11) Os 70 anos expiraram quando Ciro, o Grande, no seu primeiro ano, libertou os judeus e estes voltaram à sua pátria. (2 Crônicas 36:17-23) Cremos que a leitura mais direta de Jeremias 25:11 e de outros textos é que os 70 anos contam desde quando os babilônios destruíram Jerusalém e deixaram a terra de Judá desolada. - Jeremias 52:12-15, 24-27; 36:29-31.

    Os 70 anos de Jeremias estão aqui completamente aplicados ao período desde a destruição de Jerusalém por Nabucodonosor até os judeus serem permitidos voltar de Babilônia para casa. A queda de Babilônia para Ciro foi em 539AC. Isto não está em questão. A STV argumenta que os judeus voltaram para casa em 537AC. Isto é possível, embora 538AC seja um ano mais provável. O que segue então, como argumenta a STV, é que Jerusalém caiu 70 anos antes, em 607AC.

    Os setenta anos são um período profético usado por Jeremias, assim, é natural examinar primeiro como esta expressão é usada no seu livro. Como nós vimos acima, a primeira menção está em Jeremias 25:11. Este texto não diz o que a STV alega.

    Jer 25:11 "E toda esta terra terá de tornar-se um lugar devastado, um assombro, e estas nações terão de servir ao rei de babilônia por setenta anos."

    Nós iremos notar imediatamente que Jeremias em nenhum lugar diz que Jerusalém será desolada durante setenta anos. Estes setenta anos eram um tempo de servidão, não desolação. Embora o contexto fale sobre a devastação, os setenta anos somente se aplicam a servidão. O texto citado acima em kc ignora isto completamente. Além disso, a servidão não foi limitada aos Israelitas, "e estas nações " naturalmente incluem muitas, se não todas, as nações da área Siro-Palestina.

    O que Jeremias quis dizer com as palavras "setenta anos" ? Naturalmente, a expressão pode se referir a um período exato de 70 anos, ao invés de 71 ou 69 anos. Esta é a maneira que o assunto é entendido pela STV, e é bem possível que este entendimento esteja correto.

    Porém, pode da mesma maneira ser um número redondo, aplicado a um período aproximado. Um exemplo é o texto em Salmos 90:10 "Os dias dos nossos anos são em si mesmos setenta anos ". Ninguém irá, baseando-se neste texto, argumentar que a vida de um ser humano é de exatamente setenta anos. Em Isaias 23:15 nós vemos que "setenta anos" são igualados a "os dias de um rei", o que naturalmente é algo aproximado. Este princípio, sendo conhecido por Jeremias, pode simplesmente significar que ele disse que as nações serviriam a Babilônia pela duração de uma vida, aproximadamente setenta anos.

    "Estas nações" começaram servindo Nabucodonosor nada mais nada menos que em 605AC, quando - como nós vimos - ele até mesmo levou os prisioneiros e o saque de Jerusalém. Neste ano Nabucodonosor derrotou o faraó Neco (Jeremias 46:2), e as nações daquela área tiveram que pagar tributo ao rei de Babilônia desde aquele ano. O período terminou abruptamente em 539AC, quando a Babilônia caiu para Ciro. Este período de servidão é de sessenta e seis anos, que ninguém pode negar, é de aproximadamente setenta.

    É bastante possível, porém, aplicar o começo destes setenta anos, ao ano 609AC, dando exatamente setenta anos. Neste ano, caiu Harã, e o império assírio deu definitivamente espaço para a Babilônia ser o poder dominante desta área. Assim, em 609 o domínio de "estas nações" trocou da Assíria para a Babilônia. Algumas nações se vieram imediatamente sob o poder de Babilônia, e com pouco tempo, outras entraram na mesma condição. [Nota de Rodapé 1]

    É claro que não é possível saber exatamente o que Jeremias quis dizer. Porém, note que não importa que interpretação nós escolhamos para os setenta anos, a "leitura mais natural" de Jeremias 25:11 nos dá o término dos setenta anos em 539AC, quando a Babilônia caiu para Ciro. Também, o começo destes anos não tem nada a ver com a queda de Jerusalém, mas com a supremacia de Babilônia.

    Jeremias menciona os setenta anos em outro versículo:

    Jer 29:10 "Pois assim disse Jeová: 'De acordo com o cumprimento de setenta anos em Babilônia, voltarei minha atenção para vós, e vou confirmar para convosco a minha boa palavra por trazer-vos de volta a este lugar.'" [NWT]

    Neste ponto, a Tradução do Novo Mundo mostra seu tendencialismo para com a interpretação da Sociedade. Há de ser notado, no entanto, que na discussão dos "setenta anos" este é o único lugar onde a STV é controversa.

    Com a única exceção da versão King James (ou Versão Autorizada [Authorized Version]) de 1611, e novas traduções derivadas dela, a STV está completamente sozinha em afirmar "em Babilônia" aqui.

    Pois em qualquer outra tradução possamos por as mãos, o texto diz "para Babilônia" ou similar:

    Jer 29:10 "Pois assim disse o SENHOR: Quando os setenta anos para Babilônia estiverem completados, eu vos visitarei, e irei cumprir para convosco a minha promessa e vos trarei de volta para este lugar ". [RSV - Versão Americana] (Traduzido pelo Irmão Brasileiro)

    Carl Olof Jonsson enviou uma carta a vários reconhecidos estudiosos da lígua hebraica na Escandinávia, perguntando qual era o significado exato da expressão hebraica "LeBabel" que ocorre aqui. Sem exceções, eles responderam que a tradução "para Babilônia" estava correta. Estes estudiosos eram Dr. Seth Erlandson em Uppsala, Dr. Hans M. Berstad, Prof. Tryggve Mettinger e Dr. Tor Magnus Amble. Os estudiosos são unânimes nesta pergunta, o que deveria ser óbvio pelo fato de que toda tradução moderna tem este significado.

    Fora isso, não é possível de forma alguma, interpretar este texto para que ele signifique que os setenta anos correram da destruição de Jerusalém até Ciro ter livrado os judeus da Babilônia. O contexto deste versículo é que esta passagem é parte de uma carta enviada por Jeremias a esses que foram levados cativos de Jerusalém na segunda (de três) deportações (2. Reis 24:10-17;2. Cron 36:10).

    Isto foi dez anos antes da destruição de Jerusalém.

    Nesta carta (Jeremias 24:9-11) Jeremias diz aos cativos que eles deveriam fixar residência na Babilônia e que não deveriam esperar um retorno rápido como alguns falsos profetas tinham prediro. Eles ficariam na Babilônia até que os setenta anos "estivessem completados para Babilônia". Só então eles iriam voltar.

    Isto só faz sentido se os setenta anos já tivessem começado.

    Esta interpretação de Jeremias 29:10 é apoiada pelo Dr. Avigdor Orr:

    "O sentido original em hebraico poderia até mesmo ser interpretado assim: 'Depois que os setenta anos (do domínio) de Babilônia estiverem completados, etc. ' Os setenta anos contados aqui evidentemente se referem à Babilônia e não aos Judeus ao seu cativeiro. Isto queria dizer setenta anos de domínio Babilônico, no fim do qual, será visto a redenção dos exílados". [Nota de Rodapé 2]

    Se os setenta anos deveriam começar no futuro, dez anos depois Jeremias ter escrito estas palavras, isto significaria que Deus já tinha decidido que Jerusalém seria destruída. Neste caso, as mais recentes advertências de Jeremias não teriam tido nenhuma razão:

    Jer 38:17,18 "Jeremias disse então a Zedequias: 'Assim disse Jeová, o Deus dos exércitos, o Deus de Israel: 'Se tu, sem falta, saíres para ir ter com os príncipes do rei de babilônia, então a tua alma certamente continuará a viver e esta mesma cidade não será queimada com fogo, e tu mesmo e os da tua casa certamente continuarão vivendo. Mas, se não saíres para ir ter com os príncipes do rei de babilônia, então esta cidade terá de ser entregue na mão dos caldeus e eles realmente a queimarão com fogo, e tu mesmo não escaparás da sua mão'".

    Se Deus já tivesse decidido queimar a cidade dez anos que antes de dizer isto, tal advertência teria sido fútil. O exemplo no livro de Jonas mostra que Deus mudará seus planos quando se deparar com arrependimento.

    Nós vimos que Jeremias nunca fala a respeito de setenta anos de devastação para Jerusalém. Nós deveríamos ter isto em mente quando nós examinamos as próximas duas referências onde Daniel e Esdras aplicam estas palavras. Naturalmente, nenhuma interpretação destes textos deveria estar contrária a das palavras do próprio Jeremias.

    O profeta o Daniel vivenciou o cumprimento dramático da profecia de Jeremias. Ele possivelmente estava entre os judeus cativos que receberam a carta de Jeremias (Jeremias 29:4-14). Pelo menos ele soube dos conteúdos desta carta, promentendo um retorno à terra santa depois de 70 anos de supremacia babilônica.

    Em uma noite em 539 AC, o tempo acabou para o poderoso império babilônico, quando o Rei de Babilônia viu a escrita na parede - literalmente. Daniel interpretou estas escritas misteriosas:

    Dan 5:25-28 "E esta é a escrita que se escreveu: MENE, MENE, TEQUEL e PARSIM. Esta é a interpretação da palavra: MENE: Deus contou os dias do teu reino e acabou com ele. TEQUEL: foste pesado na balança e achado deficiente. PERES: teu reino foi dividido e dado aos medos e aos persas".

    Sim, Deus tinha "contado os dias" do reinado babilônico. Exatamente setenta anos depois de eles finalmente derrotarem os assírios, os Medos e os Persas sob o Rei Ciro puseram um fim ao domínio de Babilônia. Daniel conclui: " Naquela mesma noite foi morto Belsazar, o rei Caldeu" (v30).

    Não há nenhuma dúvida que isto se refere às profecias anteriores de Jeremias. Esta "contagem de dias" foi claramente revelada com antecedência e não foi mantida em segredo:

    Amos 3:7 "Pois o soberano Senhor Jeová não fará coisa alguma sem ter revelado seu assunto confidencial aos seus servos, os profetas".

    Note a ordem dos eventos como descritos por Jeremias:

    Jer 25:11,12 "E toda esta terra terá de tornar-se um lugar devastado, um assombro, e estas nações terão de servir ao rei de babilônia por setenta anos." "E terá de acontecer que, quando tiverem cumprido setenta anos, ajustarei contas com o rei de Babilônia e com aquela nação, é a pronunciação de Jeová.""

    Primeiro, os setenta anos tinham que correr, e só então é que o rei de Babilônia seria chamado para o ajuste de contas. De acordo com interpretação da STV, os setenta anos terminaram dois anos depois do "ajuste do contas" do rei . Isto é, como qualquer um pode facilmente notar, uma contradição do texto.

    Os judeus que estavam no exílio babilônico, indubitavelmente apreciaram o fim daquele império. Eles souberam que isto teria que acontecer antes que eles pudessem voltar para Jerusalém a fim de reconstruir o templo e a cidade. Então, como Jeremias tinha dito, eles retornariam. Deus tinha prometido que iria "confirmar para convosco a minha boa palavra por trazer-vos de volta a este lugar". (29:10)

    Isto foi o que Daniel achou quando ele começou a examinar estas profecias imediatamente após a queda de Babilônia:

    Dan 9:2 "no primeiro ano do seu reinado, eu, Daniel, compreendi pelos livros o número de anos a respeito dos quais viera a haver a palavra de Jeová para Jeremias, o profeta, para se cumprirem as devastações de Jerusalém, a saber, setenta anos" [NWT]

    A STV tem usado freqüentemente estas palavras para apoiar a sua interpretação dos setenta anos, isto é, que estes anos eram os anos desde a destruição de Jerusalém até os judeus retornarem. Em algumas traduções (NIV é um exemplo), o teor é inexato e dá a impressão que setenta anos tiveram que passar enquanto Jerusalém estava em ruínas. Porém, a NWT retém de alguma forma o teor um pouco ambíguo do original.

    Daniel simplesmente diz que setenta anos tinham que passar antes que as devastações de Jerusalém podessem terminar. Ele não diz que estes setenta anos começaram quando Jerusalém foi destruída. Note esta tradução importante:

    Dan 9:2 "no primeiro ano do reinado dele eu, Daniel, estava estudando as escrituras, contando o número de anos - como revelados por Yahweh ao profeta Jeremias - que tinham de passar antes da desolação de Jerusalém chegasse a um fim, a saber, setenta anos." [NJB]

    Outra tradução precisa:

    Dan 9:2 "no primeiro ano do reinado dele, eu, Daniel, percebi nos livros o número de anos que, de acordo com a palavra do SENHOR para Jeremias o profeta, teriam de passar antes do fim das desolações de Jerusalém, a saber, setenta anos". [RSV]

    Note que tanto a RSV e NWT usam plural, "devastações". A STV discute que a devastação de Jerusalém aconteceu quando a cidade foi destruída por Nebucodonosor. Mas Daniel fala a respeito de várias devastações. A Bíblia de Jerusalém usa até mesmo a expressão "as devastações sucessivas de Jerusalém ".

    A palavra para "devastação" é chorbah. Ela não significa, como nós veremos, destruição completa. Nós vimos que Nebucodonosor já tinha levado prisioneiros e saque de Jerusalém em 605 AC, no seu ano de ascensão. Todos os anos depois que o exército dele atravessou a terra, sem duvida alguma causando mais destruição, e a Bíblia fala até mesmo a respeito de uma equipe de saqueadores de nações diferentes que causaram assolamento naquele tempo (veja 2 Reis 24:2; Jeremias 35:11).

    Se nós olhamos como esta expressão é usada em todos os outros lugares na Bíblia, o argumento da STV cai completamente. O profeta Ezequiel fala sobre "os habitantes destes lugares devastados" (Ezequiel 33:24, 27), e estas palavras foram escritas 10 anos antes da destruição de Jerusalém.

    Nós vimos agora que Daniel 9:2 não dá nenhum apoio a interpretação da STV. Primeiro, Daniel em nenhuma parte diz que os setenta anos começaram quando Jerusalém foi finalmente destruída. Segundo, as devastações de Jerusalém começaram muitos anos antes da destruição final em 587 AC.

    O versículo final da Bíblia que nós examinaremos com respeito aos setenta anos também se preocupa com a realização da profecia de Jeremias. Novamente, o texto deve ser examinado com as palavras do próprio Jeremias em mente. Esdras o escriba, conclui as crônicas dele sobre os reis de Judá com estas palavras:

    2Cron 36:20,21 "além disso, ele levou cativos a Babilônia os que foram deixados pela espada, e eles vieram a ser servos dele e dos seus filhos até o começo do reinado da realeza da Pérsia; para se cumprir a palavra de Jeová pela boca de Jeremias, até que a terra tivesse saldado os seus sábados. Todos os dias em que jazia desolada, guardava o sábado, para cumprir setenta anos."

    Novamente, estas palavras podem implicar que a terra foi devastada durante exatamente setenta anos. Como nós vimos acima, as devastações começaram antes da destruição final de Jerusalém, então, de qualquer forma, isto não dá nenhum apoio à interpretação da STV.

    Além disso, Esdras não disse que o período de setenta anos correu em paralelo com o período que o país caiu em devastação. Ele simplesmente disse que os setenta anos tiveram que terminar antes do tempo de desolação estivesse finalizado. Isto também se aplica à referência de Esdras aos sábados.

    Jeremias não menciona em nenhum lugar anos de sábado em relação aos setenta anos. Esdras sem dúvida se referiu a profecia em Levitico 26:33-35. Esdras não iguala o tempo necessário para pagar integralmente os sábados com os setenta anos. Ele se refere a duas profecias diferentes, e diz que dois períodos tiveram que ser completados antes que os judeus pudessem retornar: o descanso sabático e os setenta anos de supremacia babilônica.

    Há dois princípios em relação ao descanso sabático dignos de nota. Se a terra tivesse que descansar durante setenta anos, isto teria que significar que por 490 (7 x 70) anos, os judeus não tinham guardado o sábado. Isto nos leva de volta a 1077 AC (ou 1097AC na cronologia da STV). Isto foi antes do reinado do justo Davi, até mesmo antes de Saulo que foi o primeiro rei. Seria isto provável, que o país não guardou o sábado sagrado durante um único ano durante os reinados de: Saul, Davi, Salomão e Josias ? Por outro lado, usando a cronologia estabelecida (secular), o país estava desolado (neste sentido, não sendo usado para agricultura) durante 50 anos. Isto (7 x 50 anos) nos leva de volta para 937 AC, muito próximo do tempo da divisão do Reino que foi atribuída a falta de fé do rei. Muita ênfase em detalhes nesta profecia tem um valor duvidoso, mas é um fato que vale a pena considerar.

    A bíblia ensina 587AC como a data para destruição

    A conclusão acima tem de ser que não há nada na Bíblia que contradiga a cronologia estabelecida (secular) que data o ano de ascensão de Nabucodonosor como 605 AC. A Bíblia diz que a queda final e destruição de Jerusalém ocorreu no 19º ano do reinado de Nabucodonosor (Jeremias 52:12; 2 Reis 25:1-4; 2. Cron 26:11,19).

    Isto é 587 AC. [Nota de Rodapé 3]

    Por outro lado, a STV falhou em fazer um sistema que fosse internamente consistente com o testemunho Bíblico a respeito dos setenta anos. Além disso, a cronologia deles contradiz diretamente declarações claras de Daniel e Zacarias.

    Enquanto que a própria Bíblia é suficiente para se rejeitar a cronologia da Sociedade Torre de Vigia, nós tomaremos o nosso tempo para examinar a enorme quantidade de evidência arqueológica para cronologia estabelecida.


    A Evidência Arqueológica

    (Veja sumário da evidência e Linha do Tempo abaixo)

    Como nós vimos antes, a Bíblia não contém nenhuma data absoluta. Contém datas relativas e medidas de tempo, e apenas se pudermos definir ao menos um dos eventos e datas relativas para o nosso calendário, é que chegaremos a uma data absoluta.

    Este problema sem dúvida alguma a STV também encara. Eles se focalizaram em uma data-chave, um evento que é testemunhado em fontes históricas seculares e a própria Bíblia,: A queda de Babilônia para Rei Ciro em 539 AC.

    Como que se chegou a esta data? Historiadores usaram as listas de reis de Ptolomeu e Beroso. Estes são considerados precisos e fidedignos, e eles datam o reinado de Ciro sobre Babilônia a partir de 539 AC. Isto tem sido confirmado pelo método de datação mais fidedigno conhecido em toda a história: documentos contemporâneos com observações astronômicas.

    Observações Astronômicas

    A fonte mais segura de datas absolutas vem de uma inscrição contemporânea com observações astronômicas. Os Babilônios colocaram, como muitos outros povos, muita ênfase em astrologia, e eles observaram cuidadosamente os fenômenos celestiais e escreveram a colocação exata dos planetas relativos para o zodíaco. Estas inscrições eram datadas precisamente ao reinado de um rei. Muitas de tais observações podem ser encontradas em inscrições separadas, formando uma "impressão digital" sem igual durante um ano, visto que as observações possivelmente não poderiam acontecer em nenhuma outra data por milhares de anos em qualquer direção. Astrônomos hoje podem calcular o fenômeno astronômico descrito nas inscrições astronômicas com precisão, e verificarão que é impossível que estas observações sejam falsas ou que possam se aplicar a qualquer outro ano.

    Assim, a única chance para uma inscrição com observações astronômicas corretas ser " falsa", é ter sido datada erroneamente. Visto que a cronologia da STV está consistentemente com vinte anos perdidos, os registros astronômicos contemporâneos teriam de estar datados errados por vinte anos. Pode alguém imaginar os astrólogos e cronistas pela era neobabilonica fazerem tal coisa? O trabalho envolvido em forjar apenas uma destas tábuas astronômicas é enorme, considerando que eles mencionam numerosas datas e eventos na vida de um rei, e apenas uma mudança nas próprias observações ou nas datas fariam destas observações inajustáveis em qualquer constelação ou em fenômenos astronômicos na história conhecida.

    A STV acha que tais cálculos astronômicos são extremamente fidedignos:

    "Certa tabuinha babilônica de argila é util para relacionar a cronologia babilônica com a cronologia bíblica. Esta tabuinha contém a seguinte informação astronômica sobre o sétimo ano de Cambises II, filho de Ciro II: "Ano 7, tamuz, noite 14, 1 2/3 hora dupla [três horas e vinte minutos] após o cair da noite, um eclipse lunar visível no seu trajeto inteiro; abrangeu a parte setentrional do disco [da lua]. Tabete, noite 14, duas e meia horas duplas [cinco horas] à noite, antes da madrugada [na última parte da noite], o disco da lua ficou eclipsado; o trajeto inteiro visível; o eclipse atingiu as partes meridional e setentrional." (Inschriften von Cambyses, König von Babylon [Incrições de Cambises, Rei de babilônia], de J. N. Strassmaier, Leipzig, 1890, Nº. 400, linhas 45-48; Sternkunde und Sterndienst in Babel [Astronomias e Veneração das Estrelas em Babel], de F. X. Kugler, Münster, 1907, Vol. I, pp. 70, 71). Estes dois eclipses lunares podem ser identificados com os eclipses lunares visíveis em Babilônia em 16 de Julho de 523AEC e em 10 de Janeiro de 522AEC. (Canon of Eclipses [Canon de eclipses], de Oppolzer, traduzido para o inglês por O.Gingerich, 1962, p. 335). De modo que esta tabuinha especifica o sétimo ano de Cambises II como tendo início na primavera setentrional de 523AEC. Esta data é confirmada pela astronomia. (it-1, p607 - O grifo é nosso).

    Esta data astronomicamente confirmada deve permanecer acima de qualquer dúvida. Sem isto, a data-chave da STV, 539 AC para a queda de Babilônia para Ciro, não teria de fato nenhum fundamento. Nós não temos nenhuma dúvida quanto a isto. Mas a STV é grotescamente desonesta quando aceita este pedaço de evidência como definitiva e sem dúvida, e então descartam exatamente o mesmo tipo de evidência, durante a era Neo-babilônica. Como nós veremos, a evidência astronômica para cronologia Neo-babilônica é ainda mais direta e até mesmo mais forte.

    Um amplo diário astronômico, VAT 4956, datado no 37º ano de Nabucodonosor, dá observações definidas que não pode se ajustar a nenhum outro ano além de 568 AC. Isto está além de qualquer dúvida; nem um único ano por milhares de anos antes ou depois dele pode se ajustar a toda evidência, e a chance de observações fabricadas que por acidente se ajustam a este ano nem vale a pena se considerar. Considerando que a Bíblia estabelece que Jerusalém caiu no 19º ano de Nabucodonosor (Jeremias 52:12; 2 Reis 25:1-4; 2. Cron 26:11,19), isto certamente deve ter acontecido em 587/6 AC, e com certeza não 20 anos mais cedo.

    A STV não pode aceitar isto. Eles tentam desacreditar este diário:

    "VAT 4956: Trata-se duma tabuinha cuneiforme que fornece informações astronômicas datando até 568 A.E.C. Diz que as observações eram desde o 37º ano de Nabucodonosor. Isto corresponderia à cronologia que coloca seu 18º ano de reinado em 587/6 A.E.C. todavia, essa tabuinha é admitidamente uma cópia feita no terceiro século A.E.C, de modo que é possível que sua informação histórica seja simplesmente a que era aceita no período selêucida". (kc, p 186)

    Esta é realmente uma cópia, mas de forma alguma é "possível" que a informação histórica seja o que foi aceito neste místico "período selêucida" o qual vemos novamente sendo assumido como um período duvidoso para falsificação extensa de evidencias cronológicas. O copista não adicionou informação, o que fica evidente pelo fato de que nos dois lugares onde a tabuinha está danificada, o copista inseriu as palavras "rompidas, apagadas". Isto mostra quão extremamente improvavelmente seria para o copista inserir alguns detalhes cronológicos "aceitos" posterioremente. Também, há aproximadamente quarenta datas no texto, e deveria estar além de consideração que um copista que é tão consciencioso que chega a indicar onde a fonte original é ilegível, estaria ocupado em falsificação indiscriminada por inserir o nome de um rei que estava morto em 568 AC num registro histórico.

    Isto está até mesmo fora de discussão, pois bem recentemente o diário astronômico nomeado BM 32312 foi descoberto. Ele contém observações astronômicas exatas de 652/51. Aqui, nenhum copista poderia ter feito qualquer mudança à data, porque o diário está quebrado! Porém, a tabuinha menciona a batalha de Hirite no "mês 12, dia 27" onde o Rei de Babilônia estava envolvido. E um diário mais famoso, a crônica de Aquito, declara que esta data ocorreu no 16º ano de rei o reinado de Samas-sum-iuquim (667-648 AC). Assim, nós temos uma recente e independente confirmação, incluindo duas sólidas peças de evidência, que a cronologia estabelecida da era Neo-babilônica está correta. Como uma curiosidade a mais, podemos acrescentar que este texto babilônico nos informa que o rei de Babilônia perdeu esta batalha, minando seriamente as reinvindicações da STV que os cronistas babilônicos eram desonestos.

    O que nós vimos, é que a STV aceita a evidência que apoia a sua cronologia, enquanto rejeita o mesmo tipo de evidência quando contradiz as idéias deles. Além disso, a tabuinha do reinado de Cambises II só estabelece indiretamente a data para conquista de Babilônia por Ciro, por consultar listas régias a fim de descobrir quanto tempo Ciro reinou e que ele foi sucedido pelo seu filho Cambises II em 529 AC. Por outro lado, VAT4956 estabelece o reinado de Nabucodonosor diretamente, e uma pessoa que não se permitirá duvidar da cronologia Bíblica, possivelmente não poderá rejeitar isto. Então, se a STV estivesse correta quando afirmaram que a Bíblia declarou 70 anos desde a queda de Jerusalém até o retorno dos judeus (o qual, como nós vimos, não está!), eles teriam que negar 539, e não 587/6. Então, é claro, eles perderiam 607 como uma data chave, e seria ingênuo acreditar que toda esta distorção da evidência pela STV é por qualquer outra razão alem de mater a data de 607, novamente salvando 1914.

    Listas de Reis

    Uma peça principal de evidência contra a cronologia da STV é lista de reis que nós temos depois de Beroso e Ptolomeu. Beroso era um sacerdote babilônico que viveu no 3º século AC. Ele escreveu um livro de três volumes da história de Babilônia, dos quais só fragmentos são conhecidos por citações em trabalhos mais recentes, como os escritos por Josefo e Eusebio. Ptolomeu (70-161EC) era um estudioso polivalente que viveu no Egito. Ptolomeu escreveu um trabalho matemático conhecido em latim como Almagest, onde ele incluiu o cânon, uma lista de reis. A Enciclopédia Britannica (versão on-line) diz:

    "A fonte da qual a exploração da cronologia Mesopotanica começou em um texto chamado o Cânon de Ptolomeu. Esta lista de reis sobre um período de cerca de 1,000 anos, começando com os reis de Babilônia depois da ascensão de Nabonasar em 747 AC. O próprio texto pertence ao período do Império romano e foi escrito por um astrônomo grego residente no Egito. Prova da justeza fundamental do Cânon de Ptolomeu veio das tabuinhas cuneiformes antigas escavadas na Mesopotania, incluindo algumas que se referem a eventos astronômicos, principalmente eclipses da Lua. Assim, até que escavações começassem, um quadro bastante detalhado da cronologia babilônica já estava disponível para o período posterior a 747 AC ". (debaixo dos tópicos "O Estudo de História, Babilônico e Assírio, cronologia da Mesopotania, 747 a 539 AC ".)

    Beroso e Ptolomeu, vivendo em partes diferentes do mundo e em tempos diferentes, e ambos sendo respeitados como fontes fidedignas pelos historiadores modernos, dão os mesmos dados de reinos:

    Reis Beroso Ptolomeu Data AC
    Nabopolassar 21 anos 21 anos 625-605
    Nabucodonosor 43 anos 43 anos 604-562
    Evil-Merodaque 2 anos 2 anos 561-560
    Neriglissar 4 anos 4 anos 559-556
    Labasi-Marduque (9 meses) - 556
    Nabonido 17 anos 17 anos 555-539

    Não é nenhuma surpresa, então, que a Sociedade está tentando desacreditar estas fontes. Nem sequer isto não ajudaria muito se podessemos demonstrar estas fontes como independentes uma da outra. Assim, em Ajuda ao Entendimento da Bíblia de 1971, a Sociedade Torre de Vigia afirma que Ptolomeu tinha copiado Beroso:

    "Ao preparar seu canon, pensamos que Ptolomeu tenha usado as escritas de Beroso" (página 328)

    O teor passivo esconde o fato que só os próprios escritores da Sociedade Torre de Vigia alguma vez "pensaram" isto! Há evidência substancial que Ptolomeu fez seu trabalho sobre registros anteriores. Depois que este argumento tivesse sido desiludido, a STV teve que usar outro:

    "Ptolomeu evidentemente baseou sua informação histórica em fontes que datavam do período selêucida, o qual começou mais de 250 anos depois de Ciro ter capturado Babilônia. Portanto, não surpreende que as cifras de Ptolomeu concordem com as de Beroso, sacerdote babilônico do período selêucida." (kc - pg. 186)

    É difícil entender como ligar Ptolomeu e Beroso com o "período Selêucida" podem os desacreditar, como se este fosse um tempo que foram forjados muitos registros. A própria Sociedade Torre de Vigia depende 100% da data 539AC. Como nós vimos, isto vem de Ptolomeu e Beroso também. Vendo este problema, a STV foi para lugares estranhos para achar apoio adicional depois de ter desacreditado Ptolomeu:

    "Pode-se chegar à data 539AEC para a queda de Babilônia não somente pelo cânon de Ptolomeu, mas também por outras fontes. O historiador Diodoro, bem como Africano e Eusébio, mostram que o primeiro ano de Ciro, como rei da Pérsia, correspondia à Olimpíada 55, ano 1 (560/559AEC), ao passo que o último ano de Ciro é situado na Olimpíada 62, ano 2 (531/530 AEC)". (It-1, página 608)

    Isto é bastante interessante, visto que Diodoro (1º século AC) viveu bem depois do "período Selêucida", e usou fontes deste período. Um dos problemas com Diodoro é que ele não menciona freqüentemente suas fontes e reduz a possibilidade para o conferir. Africano é um escritor Cristão do 3º século AD. Ele usa Diodoro como uma fonte. Vivendo no 3º e 4º século nós achamos Eusebio que se diz usar Diodoro e Africano como fontes!

    Isto não significa, é claro, que a 539AC não é uma data bem estabelecida. Mas o fato é que, é menos segura que 586/7AC como a data para a destruição de Jerusalém.

    Documentos Comerciais

    Uma da peças de evidência mais extensas e significativas é a quantia enorme de documentos de negócios e administrativos surgidos da era Neo-babilônica. Estes são documentos contemporâneos, não cópias mais recentes, e pode haver pelo menos 50,000 (!) destes documentos, muitos deles armazenados no Museu britânico em Londres. Alguns milhares destes documentos estão registrados. A STV admite:

    "Tabuinhas Comerciais: Milhares de tabuinhas cuneiformes, neobabilônicas, contemporâneas, foram encontradas com simples registros de transações comerciais, mencionando o ano do rei babilônico em que ocorreu a respectiva transação. Tabuinhas desta espécie foram encontradas para todos os anos de reinado dos reis neobabilônicos conhecidos na cronologia aceita do período." (kc, p 187)

    Assim, para todo ano conhecido nesta era, existem tais documentos contemporâneos. Porém, a STV afirma que vinte anos estão faltando. Onde estão os documentos comerciais cobrindo este período? Eles não existem. Se algum rei reinasse por mais anos que aqueles nomeados a eles nas listas de reis estabelecidas, ou se algum rei desconhecido reinasse durante vinte anos (ou uma combinação), deveria ter havido centenas se não milhares de documentos comerciais datando este período. Não há realmente nenhum. Os documentos contêm detalhes de centenas de milhares de transações empresariais triviais e não tão-triviais -comprando e vendendo -- e a idéia que isto não aconteceu durante este período é absurda. Além disso, nós podemos localizar transações empresariais desde entrega de bens até o pagamento dos mesmos. Nós podemos estabelecer quem é o cabeça da companhia em determinado ano. Acreditar que a cronologia da STV pode ser defendida contra esta evidência, faz da infame idéia de "conspiração" parecer improvável. Não só envolveria centenas de escriturários, cronistas, funcionários e astrólogos do período Neo-Babilônico adiante por séculos, mas também requereria um silêncio conspiratório de milhares de empresários de em um império inteiro!

    É mais do que óbvio que não há nenhum registro para os "vinte anos perdidos" porque eles nunca existiram. Nem um único pedaço de texto cuneiforme nunca indicou que eles existiram. Nenhum cronista ou astrólogo ouviu falar deles. E como nós demonstramos acima, se eles existissem, a própria Bíblia se contradiria em muitos detalhes cronológicos, e a profecia de Jeremias teria falhado.

    Inscrições Reais comntemporâneas

    Evidências mais diretas da era Neo-babilônica também foram encontradas. Uma inscrição da era Selêucida, A Lista do Rei Uruque, descoberta em 1959/60, confirma os reinados de Nabopolassar, Nabucodonosor, Amel-Marduque e Labasi-Marduque. Outras partes do texto infelizmente estão danificadas. Enquanto nós não temos nenhuma lista de reis de eras anteriores, nós temos várias inscrições que confirmam a cronologia de modo mais direto.

    Nabon N.º 18 menciona um eclipse lunar que estabelece o segundo ano de Nabonido para 554/53, confirmando assim a cronologia estabelecida.

    Nabon Nº. 8 confirma a cronologia para a era inteira de Nabopolasar até Nabonido, dando o período total dos reis como todas as outras fontes estabeleceram. Também dá detalhes de eventos astronômicos estabelecendo assim as datas exatas do reinado de Nabonido.

    Nabon H 1, A e H 1, B. A STV admite:

    "Estela de Nabonido, de Harã (NABON H 1, B): Esta estela ou coluna contemporânea com uma inscrição foi descoberta em 1956. Menciona os reinados dos reis neobabilônicos Nabucodonosor, Evil-Merodaque e Neriglissar. As cifras para estes três concordam com as do Cânon de ptolomeu." (kc, p 186)

    A mais recente cópia da mesma estela (B), nos dá detalhes do que tinha sido danificado na peça original encontrada. Também dá detalhes do rei assírio Assurbanipal e Nabopolassar, estabelecendo assim novamente a cronologia Neo-babilônica.

    A Crônica de Nabonido (BM 35382) é freqüentemente usada pela STV para discutir a justeza da Bíblia em detalhes históricos (veja it-1 pp 148, 283-4, 566 e muitos outros lugares). Obviamente não é ignorância que nunca os faz mencionar esta crônica famosa neste debate. O fato é, esta crônica dá os reinados de todos os reis desta era, e eles são exatamente iguais aos determinados por Ptolomeu e Beroso. Todos os argumentos que os mais recentes cronistas usaram apenas cronologia "popular" nas listas deles são assim quebrados, porque esta crônica é contemporânea com os próprios reis Neo-babilônicos! Nem se fala que a STV não mencionará este pedaço devastador de evidência, apesar de estar bem consciente do que diz.

    Texto dos Eclipses Lunares (saros)

    Como temos visto, a STV está mais que ansiosa para aceitar evidência "secular" da recente era Persa, os quais estão dependentes para sua própria cronologia, mas eles rejeitam a mesma -- e mais forte -- evidência que estabelece a cronologia da era Neo-babilônica. Agora nós examinaremos um pedaço de evidência intocado pela STV que nos leva diretamente da era Neo-babilônica adentro a recente era Persa sem qualquer possibilidade para "interrupção" dos "vinte anos perdidos" que a STV precisa para manter a data de 607.

    Alguns textos babilônicos conhecidos como textos "saros", ou textos de eclipses da lua, contém detalhes de eclipses lunares. Os eclipses acontecem em grupos, que se repetem em aproximadamente em intervalos de 18 anos. Eles podem ser nomeados precisamente a datas absolutas específicas, porque as observações precisas são únicas e não podem ser repetidas por milhares de anos. Um documento particular destaca o pedaço de tempo compreendido entre 17º ano de Nabopolasar até o 18º ano do rei Persa Artaxerxes!

    Rei Ano Real Data (AC)
    Nabopolassar 17º 609/8
    Nabucodonosor 14º 591/0
    Nabucodonosor 32º 573/2
    Nabonido 555/4
    Ciro 537/6
    Dario 519/8
    Dario 21º 501/0
    Xerxes 483/2
    Xerxes 21º 465/4
    Artaxerxes 18º 447/6

    O impacto desta evidência é estonteante por si só. Nós vemos um registro contínuo de observações astronômicas. Estes podem ser apontados a uma data absoluta, e por causa da própria natureza do nosso sistema solar nada pode ser trocado vinte anos sem quebrar esta lista longa de datas de eclipses lunares que conduza a um período onde a STV concorde com a cronologia "secular". Novamente, nós temos uma confirmação independente e segura da cronologia estabelecida, não deixando na realidade nenhum espaço para a data de 607 da STV.

    Concordância com a Cronologia Egipcia

    Como nós vimos, a cronologia Neo-babilônica descansa solidamente em seus próprios pés. Porém, nós temos uma oportunidade excelente para testar este corpo de evidência contra um punhado de evidência completamente independente. A cronologia contemporânea do Egito foi estabelecida baseado numa evidência diferente. Nós já usamos muito espaço por entrar na evidência detalhada da cronologia babilônica, assim, para este trabalho, é suficiente a notar que esta evidência consiste em muitos estelas de túmulos, o historiador grego Herodoto e o padre egípcio Maneto (terceiro século AC), e vários papiros, incluindo alguns detalhes astronômicos (ie. Papiro Demótico Berlim 13588). Esta cronologia está solidamente fundamentada, e até mesmo mais, é completamente independente da cronologia Neo-babilônica.

    A Sociedade Torre de Vigia está consistentemente também fora por pelo menos 20 anos relativos a cronologia egípcia.

    Há vários sincronismos entre a cronologia Bíblica, egípcia e babilônica, e nestes é evidente que a cronologia da STV está errada. 2. Reis 23:29 nos faz saber que Josias morreu durante o reinado do farao Neco. Neco começou o reinado dele em 610 AC, mas de acordo com a STV Josias morreu 19 anos mais cedo. Jeremias 46:2 nos informa de uma batalha entre Nabucodonosor e o farao Neco no quarto ano de Jeoiaquim. Na cronologia da STV isto seria 625 AC, mas como nós vimos, Neco não começou o reinado dele antes de 610! Jeremias 44:30 nos informa que logo após a morte de Gedalias, o faraó Hofra (em outro lugar chamado Apriés) era o rei no Egito. Ele regeu o Egito entre 589-570, então isto se ajusta perfeitamente com a data da queda de Jerusalém em 587 mas não 607. Finalmente, nós temos o texto cuneiforme BM33041, que nos conta que Nabucodonosor fez uma campanha contra o farao Amasis do Egito no 37º ano de seu reinado. Amasis reinou entre 570-526, assim, isto não pode ter acontecido em 588/87 como a cronologia da STV afirma.

    A STV têm que admitir:

    " A diferença entre as datas acima e às geralmente atribuidas pelos historiadores hodiernos chega a um século, ou mais, quanto ao Êxodo, e depois se reduz a uns 20 anos no tempo do faraó Neco." (It-1, página 604)

    Seria uma coincidência acima de qualquer coisa a cronologia da STV estar correta e toda essa evidência estar errada. Isto nos recorda uma mãe orgulhosa de um escoteiro que exclamou durante uma grande parada: "Imagine, dos três mil escoteiros, só meu filho está no passo correto".

    Sumário da evidência arqueológica para a cronologia estabelecida

    1. Crônicas, registros historicos, e inscrições reais do período Neo-Babilônico, começando com o reinado de Nabopolasar and terminando com os renados de Nabonido e Belsazar, mostram que o período correu de 626 até 539 AC, e não de 645 até 539 AC como afirma a Sociedade.
      1. Beroso
      2. Ptolomeu
      3. Varias crônicas Babilônicas tais como a crônica de Nabonido
      4. Nabonido N.º 18
      5. A estela de Hilá, Nabonido N.º 8
      6. A estela de Adda-Gupp, Nabonido H1,B
    2. Documentos Comerciais e Administrativos
      1. Tabuinhas existentes que são datadas para cada ano do período Neo-Babilônico como estabelecido por Beroso, Ptolomeu e o stele contemporaneo; nenhuma tabuinha está datada inconsistentemente. Cerca de 5000 foram publicadas e restam cerca de 50000. Estes são documentos contemporâneos do período Neo-Babilônico.
    3. Diários Astronômicos
      1. VAT 4956 fixa o 37º ano de Nabucodonosor para 568 AC por um jogo único de observações astronômicas, estabelecendo o seu ano de ascensão em 605 AC.
      2. BM 32312 mais a Crônica de Aquito colocam o 16º ano de Samas-sum-iuquim (um rei Babilônico anterior ao período Neo-Babilonico) para 652/1 AC. Isto, combinado com documentos comerciais, o canon de Ptolomeu, a crônica de Aquito e a lista de Reis de Uruque combinam para datar o reinado de Nabucodonosor para 605/4-562/1, com o seu 18º (destruição de Jerusalém, Jer. 52:28-30) ano em 587/6 AC.
    4. Textos Saros (Eclipses Lunares)
      1. Quatro textos independentes provêem datas absolutas dentro do período Neo-Babilônico. O 18º ano de Nabucodonosor é fixado em 587/6 AC.
    5. Sincronismos com a cronologia Egipcia contemporânea mostra que a cronologia da Sociedade está consistentemente fora da realidade por 20 anos.
      1. Josias morreu durante o reinado do faraó Neco, que começou em 610 AC. A Sociedade data a morte de Josias para 629 AC.
      2. Alguns Judeus fugiram para o Egito sobre o faraó Hofra (Apriés) imediatamente depois da destruição de Jerusalém. Visto que ele começou a reinar em 589 AC, Jerusalém não poderia ter sido destruida em 607 AC.
      3. Um texto cuneiforme fragmentado menciona uma batalha por Nabucodonosor no seu 37º ano contra o faraó Amasis, que começou a reinar em 570 AC. A Sociedade diz que Nabucodonosor morreu em 582 AC.

    Linha do Tempo - uma visão geral

    Cronologia STV Datas AC Cronologia Estabelecida Evidência

    640


    |


    630
    milhares de tabuinhas cuneiformes, incluindo documentos comerciais
    628: ano de ascensão de Jeoiaquim |

    624: Ano de ascensão de Nabucodonsor 620

    617: Nabucodonosor leva cativos judeus no 3º ANO de Jeoiaquim (!). Da1:1,2; 2Re24:10-17; 2Cro36:10 |


    610 609: Queda de Harã. Poder do mundo em Babilônia. Possivelmente o INICIO DOS 70 ANOS. Josias morto em batalha com o faraó Neco (2Re46:2)
    607: QUEDA DE JERUSALÉM; inicio dos 70 anos | 605: Ano de ascensão de Nabucodonosor . Primeira deportaçao dos Judeus (Dan 1:1,2; 2:1).

    600 597: Nabucodonosor leva prisioneiros. Segunda deportação. Jeoiaquim em exílio; o reinado de Zedequias começa. BM21946:11-13; 2Re24:10-17; 2Cro36:10.

    |


    590 587: QUEDA DE JERUSALÉM

    |


    580


    |


    570
    BM33041. Concordância com cronologia Egipcia independente

    |
    VAT4956: observ. astronômicas fidedignas para datar 568/67 como o 37º ano de Nabucodon.

    560 Evil-Merodaque 561-560 Estela de Hilá

    | Neriglissar 559-556 Nabon no 18

    550 555: Ano de Ascensão de Nabonido BM35382. Crônica de Nabonido

    |
    Nabon H 1, B
    539: Queda de Babilônia 540 539: QUEDA DE BABILÔNIA para Ciro; FIM DOS 70 ANOS. Faraó Hofra reina o Egito neste tempo; Jer 44:30
    537: Judeus retornam do exílio, terminam os 70 anos. |


    530


    |


    Nota:

    Ano de Ascensão. Nas crônicas babilônicas, o ano que um rei ascende o trono é chamado de ano de ascensão, o ano seguinte é o primeiro ano e asim por diante. Isto é chamado de sistema de ano de ascensão. Crônicas Judaicas, seguindo um sistema sem ano de ascensão, conta ano inicial como o primeiro ano régio, o próximo como o segundo e assim por diante. O terceiro ano do reinado de Jeoiaquim nas crônicas Babilônicas seria o quarto ano nas crônicas de Israel.

    Abreviações:

    NBU Rei Nabucodonosor

    NWT Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas (New World Translation of the Holy Scriptures). Tradução da bíblia da Sociedade Torre de Vigia. Citações da versão em CD-ROM, 1993. Todas as citações bíblicas neste documento são da NWT salvo indicação em contrário.

    NIV Nova Versão Internacional da Bíblia Sagrada (New International Version of the Holy Bible), pela International Bible Society 1973, 78, 84.

    RSV Versão Padrão Revisada (Revised Standard Version). Os links embutidos referem-se a esta tradução.

    NJB A Biblia de Nova Jerusalém (The New Jerusalem Bible) (1985). Católica.


    Notas de Rodapé:

    Nota de Rodapé 1: A queda de Harã em 609 AC geralmente é entendida em relação ao livro de Jeremias. Veja o Professor D. J. Wiseman no The New Bible Dictionary, 2ª ed, 1982, p. 101; e Prof. Guy P. Couturier em The Jerome Biblical Commentary, Englewood Cliffs, NJ, 1968, p. 300; Dr. J. A. Thompson: The Book of Jeremiah, Grand Rapids, Michigan, 1980, p. 21, 533.

    Nota de Rodapé 2: Avigdoz Orr: The Seventy Years of Babylon, Vetus Testamentum, Vol VI, 1956, p. 305. O mesmo argumento, que os setenta anos foi para a supremacia de Babilônia e não para o exílio judaico, também é enfatizado por outros especialistas. Veja o Dr. Peter R. Ackroyd no Journal of Near Eastern Studies, Vol XVII, 1958, p. 23; Prof. Norman K. Gottwald: All the Kingdoms of the Earth, New York, Evanston, London 1964, p. 265, 2666; Dr. Otto Plöger: Aus der Spätzeit des Alten Testaments, Göttingen, 1971, p. 68.

    Nota de Rodapé 3: De fato, algumas fontes dizem 586 AC, o qual é apenas causado por uma aparente contradição entre 2 Reis 24,25 e Jeremias 52:12 de um lado e Jeremias 52:28-30 do outro. Visto que o livro de Jeremias foi obviamente completado por um judeu que vivia na babilônia, ele deve ter também usado o sistema de ano de ascensão enquanto Jeremias que escreveu Reis deveria usar o sistema Judaico.


    Créditos:

    A pessoa responsável por 99% da pesquisa por trás desta página é Carl Olof Jonsson. Seu livro "Os tempos dos gentios Reconsiderados" [The Gentile Times Reconsidered] (Commentary Press, Atlanta, 1986 - segundo informações recentes, a 3º edição já foi lançada), contém a mais extensiva e exaustiva discussão disponível para este tópico


    0 comentários:

    Postar um comentário



     

    J.F.C Estudos Bíblicos Copyright © 2010 Premium Wordpress Themes | Website Templates | Blog Templates Designed by Lasantha